19 fevereiro 2017

Silence






Avassalador, difícil de digerir, Silence é um filme que nos esmaga pela complexidade inerente do seu tema e, muito habilmente, pelo modo provocador como Scorcese o dirige! 

Provocador pela multiplicidade de questões que levanta. Provocador pela sagacidade com que confronta duas visões gravemente distintas mas no seu âmago similarmente pecadoras e de actuações violentas e desumanas. Provocador pela forma como coloca o espectador em comunhão, ainda que de díspar magnitude, com a busca e reflexão viscerais das principais personagens. 





Numa vívida e demolidora odisseia movida pela fé e pelo horror, Silence questiona e põe em causa, sem hesitações nem pruridos. Qual o sentido da evangelização, esse demónio colonizador que tanta crueldade e morte causou? Qual o sentido da resposta do Japão, esse império feudal que se protegeu à custa de tortura e perseguição? Qual o sentido de tudo isso, quando afinal a fé se revela como universal na sua essência, apenas diferente nas suas manifestações? Um terço. Uma cruz. A beleza da Natureza. Uma estátua de Buda. Meditação ou confissão. Monólogo. Silêncio. 


I pray but I am lost. Am I just praying to silence?


06 fevereiro 2017

Assassin's Creed


O conceito por detrás deste "Assassin's Creed" era apetecível, não nego. Misturar história e mito, a conquista cristã de Granada com a conquista da Maçã do Éden, deveria originar uma narrativa empolgante, recheada de incríveis momentos de acção!

Contudo, não é isto que o filme nos oferece...A maioria das sequências são apenas medianas e a narrativa acaba por ser um emaranhado de situações pouco coesas e sem grande fôlego!

Por último, apesar das suas qualidades, nem Fassbender nem Cotillard injectam chama suficiente ao filme, que se revela ultimamente pouco entusiasmante!

31 janeiro 2017

Rogue One


Sentimo-nos em casa. É, sem dúvida, um regresso reconfortante ao espírito dos seus "sucessores", definitivamente melhor conseguido que o episódio VII.

E, incrivelmente, Rogue One, é o filme mais díspar de toda a saga! O espírito de aventura e fantasia, ainda que bem presentes, são relegados para segundo plano, dando-se primazia a uma envolvência mais dramática, constante e necessária ao longo de toda a narrativa!
"Revoltas são construídas na esperança" e, acrescento, no sacrifício, e é esta viagem que nos é apresentada de forma consistente, emotiva e arrebatadora!

Assente num bom argumento e numa protagonista forte, Rogue One oferece-nos uma história convicente e empolgante, que nos faz sentir próximos das suas personagens e destinos de modo agradavelmente genuíno!

19 janeiro 2017

Passengers



(A seguinte crítica contém spoilers...)


Banalidade a bordo...





Que desencanto, que desilusão! Com uma premissa surpreendentemente acutilante e controversa, o filme é destruído pela sua própria preguiça em desenvolver a narrativa para além de uma básica e pálida história de amor! Depois, não se decide quanto ao que quer ser: romance, acção/catástrofe ou drama?! É que não consegue ser nenhum de forma convincente!

O grande trunfo do filme fica a pairar, sem concretização, apenas um breve comentário: "These are not questions for a robot, Jim!".
Fica assim apresentado o confronto ético que poderia distinguir o filme: a ânsia de companhia, de uma ligação, de contacto humano que quase enlouquece Jim, leva-o, num acto maior de egoísmo, a despertar a "sua" Bela Adormecida e esperar pelo conto de fadas! Que acontece, ainda que efémero, despedaçado por uma inconfidência andróide!
E aqui o filme espalha-se ainda mais ao comprido! Desperdiça completamente o potencial da sua narrativa, ao desvalorizar o conflito moral e ético da decisão de Jim pela companhia de salvamento da nave que, numa penada sem sentido, termina igualmente na reconciliação dos amantes!

E bem, voltamos a ter conto de fadas! O problema é que até o mais simples conto de fadas possui, em menor ou maior escala, uma lição de moral a retirar..."Passengers", por sua vez, navega apenas num vazio banal, preguiçoso e até perverso, simplesmente insignificante e deplorável!


09 janeiro 2017

Amor Impossível



Por mais de uma vez, a protagonista faz uso de "O Monte dos Vendavais": relê-o após uma briga com o namorado, defende-o apaixonadamente na apresentação de um trabalho, incorpora-o profusamente quando declama, de forma visceral, "Eu sou Heathcliff"! E por mais de uma vez, recordei o quanto odiei "O Monte dos Vendavais" e a sua narrativa de "amor" obsessiva e abusiva! Aquilo nunca foi amor, somente uma relação destrutiva, e também destrutiva é a relação que "Amor Impossível" nos apresenta.






É a ilusão do amor, o amor pelo amor, que Cristina persegue tão vividamente? E o que move Tiago senão o sentimento de posse por si só, o ter e possuir alguém? E quando tudo se complica, quando tudo desaba, o que acontece?

A caracterização deste caótico relacionamento é sólido e cativante; Victoria Guerra e José Mata foram capazes da intensidade que tal retrato pedia, numa narrativa que se foi afirmando como consistente e interessante! O meu grande problema com o filme foi sem dúvida a tentativa de paralelismo entre o casal protagonista e o casal de inspectores da PJ. Para além de me escapar o motivo desta opção, nunca achei que fosse bem conseguida ou até minimamente interessante, acabando apenas por prolongar em demasia a duração do filme e distrair-nos da história principal (e, por outro lado, desacreditar ligeiramente o trabalho de investigação...)!





"Amor Impossível" é, neste aspecto, um filme um pouco desequilibrado. Contudo, desenvolve de forma capaz e séria a sua premissa principal, numa narrativa fervorosa que nos consegue prender, ainda que não absolutamente, no seu sucessivo acumular destrutivo de paixão e obsessão!


11 maio 2016

Les Ponts de Sarajevo






O príncipe herdeiro que insistiu em desafiar o destino, se é que tal existe e nos comanda. As motivações em discurso directo e final do seu assassino. O desespero, cruel e voraz, da guerra das trincheiras. A cidade sitiada, por montanhas no horizonte e cadáveres na rua, sob a mira de snipers. O ressoar, década após década após década, da encruzilhada dos conflitos étnicos. Os traumas e os fantasmas de quem lá permaneceu e daqueles que não quiseram regressar.

Estas são algumas das perspectivas que (des)constroem "Les Ponts de Sarajevo", manta de retalhos de treze realizadores sobre a cidade-cerne de alguns dos (senão todos?) maiores conflitos do século XX. Revelam conhecimento, instigam reflexão: é, de facto, deveras impressionante e assustador a evolução dos acontecimentos que culminaram em tão diferentes e horríveis fins: as Grandes Guerras, a Guerra na Bósnia, os genocídios...E uma das curtas é especialmente acutilante nessa análise...e simultaneamente tão simples...uma conversa entre um casal, na cama, à volta do livro "Das Spektrum Europa", que ultimamente não é mais que um conjunto de estereótipos sobre os diferentes povos europeus, um eco dos perigos dos nacionalismos. Que culmina na visão do cemitério que se estende por Sarajevo, na curta "Quiet Mujo", que tem tanto de comovente como de desconcertante! Por último, uma nota negativa para "The Bridge of Sighs" de Godard, que me pareceu apenas uma incursão espalhafatosa, egocêntrica e sem real significado. Termino com um elogio para as sequências animadas que antecedem cada curta, metáforas do percurso de instabilidade e construção de Sarajevo!

Perspicaz e perturbador, "Les Ponts de Sarajevo" assume-se como uma viagem de reflexão e consciencialização que merece ser percorrida, sentida e pensada!



20 abril 2016

Versailles - primeiras impressões



"L´État c'est moi!"

Mito ou não, é verdade que a ousadia e força desta exclamação reflectem bem o reinado de Louis XIV! 
E é exactamente isso que a série "Versailles" nos tem vindo a mostrar, de modo terrivelmente deslumbrante e eloquente!





Luxo, sumptuosidade, beleza - manifestações do absolutismo encabeçadas pelo palácio de Versailles, esse expoente hipnotizante (que memórias mágicas tenho da visita!) do sonho máximo do Rei-Sol! É essa a trama de "Versailles", a construção e consolidação do poder de Louis XIV, por entre contrariedades, alianças, condicionantes, traições!

Mas também gosto que esta não seja uma reconstituição histórica per se, que esteja temperada de mística e sonho, para além de outros pormenores bem particulares e curiosos! Assim como as personagens e indiscutivelmente os actores que lhe dão vida, cativantes e misteriosos, que nos prendem o olhar desde as primeiras cenas! George Blagden, magnífico Louis XIV, sedutor, intransigente, manipulador, determinado, estratega e maquiavélico! Alexander Vlahos, conturbado e dividido Filipe, duque de Orleães! Ou as mulheres da corte: Elisa Lasowski, Noémie Schmidt, Anna Brewster, respectivamente, intrigante rainha, doce amante e, oh là là, insinuante e estratega amante!





Fiquei rendida ao primeiro episódio, os três que se seguiram comprovaram a minha absoluta paixão!


"Un roi sans château n'a rien d'un vrai roi!"



30 março 2016

Bachelorette



Um filme que quer ser irreverente e sarcástico no retrato que faz às suas protagonistas e às situações em que se vêem envolvidas mas que ultimamente se reduz aos clichés da comédia romântica! 





Tem alguns momentos engraçados mas a história é pouco consistente desde o início, o que resulta num produto final algo trapalhão (que raio é aquela personagem de Isla Fisher, por exemplo?) e ultimamente para esquecer...

Directo para a categoria de "filme de domingo à tarde"...e mesmo assim...




26 março 2016

Pride and Prejudice and Zombies



Juntar à narrativa de Jane Austen o factor zombies poderá parecer, se não sacrilégio, pelo menos um grande desastre...mas "Pride and Prejudice and Zombies" prova-nos bem o contrário! 

Factos curiosos: os zombies são apenas mais um contratempo para estas independentes personagens femininas a lutar contra a repressora sociedade inglesa do século XIX; é exactamente este desafio extra à sua compostura que torna o filme deveras divertido!





Se tem falhas? Pois então...as únicas irmãs Bennet falantes são só mesmo Elizabeth e Jane, Charles Dance e Lena Headey são pouco aproveitados, Lily James e Sam Riley não têm nem a química nem o charme dos seus antecessores e aquela trama secundária de Mr. Wickham é de facto pouco sustentada e explicada...

Mas compromete isto a valente dose de entretenimento? Nem por sombras, quer dizer, temos humor, acção e romance...e zombies, zombies! Zombies e Jane Austen? Fiquei rendida!


21 março 2016

Steve Jobs



Três momentos-chave, três momentos muito reveladores da personalidade de Steve Jobs, o tão afamado génio por detrás da Apple!

Assim está organizado este biopic não convencional, suportado pela escrita inteligente e sarcástica de Aaron Sorkin e pela vivacidade da realização de Danny Boyle!





Contudo, o mestre aqui é mesmo o portentoso Michael Fassbender, que incorpora de modo sublime as características tão definidoras de Jobs: a sua arrogância, a sua intransigência, a sua frieza, a sua inteligência e o seu egocentrismo! E goste-se ou não, admire-se ou nem por isso, a sua paixão por pela visão tão específica que tornou a Apple no que é actualmente!