27 março 2011





"When I was on The View, Barbara Walters was asking me about the blood and stuff, and I said, ‘Well, you know, that’s a staple of Japanese cinema.’ And then she came back, ‘But this is America.’ And I go, ‘I don’t make movies for America. I make movies for planet Earth."




Hell yeah!




Happy Birthday Tarantino!


24 março 2011

Momentos (XVI)



Comecei há poucos dias a ver "Deadwood". Apesar de ter visto apenas quatro episódios, posso dizer sem rodeios que estou a adorar. Uma caracterização fabulosa, personagens marcantes, magníficas interpretações, um sólido argumento e uma bela banda-sonora (começa desde logo pelo genérico) já colocaram Deadwood na minha lista de grandes séries!

Este segmento é simplesmente memorável...uma maravilhosa e trágica conjugação de desassossego, tensão e desespero, filmada de modo brilhante, na qual apenas os olhares, as expressões, acompanhados por uma sinistra melodia, conseguem perturbar o espectador...Bravo!


[Spoiler]

video

Here Was a Man (Deadwood, 1.04)


11 março 2011

Tumulto



Vivam! Observem, toquem! Cheirem, saboreiem!

Vivam! Experienciem!

Vivam! Reflictam! Questionem!

Vivam! Amem, odeiem! Sintam!

Vivam! Perturbem! Revoltem-se!

Vivam! Inquietem-se! Gritem!

Vivam! Fragmentem-se!

Fragmentem …fragmentem o pensamento e o coração!

Tudo e nada! A alma e o sentimento!

Fragmentem-se! Estilhacem toda a molécula do vosso ser,
ignorem todo o bramido da consciência,
abracem a espontaneidade da multidão,
festejem lado a lado com o descontrolo!

Vivam! Sonhem!

Por fim, reúnam todos os pedaços! Um novo eu, num eu diferente!

Mas nunca satisfeito…por isso repitam, quebrem novamente,
num interminável desafio tormentoso!

O eterno desassossego persegue-nos…



09 março 2011

O Porto em Desassossego





De regresso ao Porto...

A não perder!





“Não me choca a interrupção dos meus sonhos: de tão suaves que são, continuo sonhando-os por detrás de falar, escrever, responder, conversar até.”

Fernando Pessoa (O Livro do Desassossego)

07 março 2011

06 março 2011

Momentos (XV)





Margot Mary Wendice: Do you really believe in the perfect murder?
Mark Halliday: Mmm, yes, absolutely. On paper, that is. And I think I could, uh, plan one better than most people; but I doubt if I could carry it out.
Tony Wendice: Oh? Why not?
Mark Halliday: Well, because in stories things usually turn out the way the author wants them to; and in real life they don't... always.